Couro e Sustentabilidade

         A relação entre o homem e o couro ocorre desde os tempos primitivos, há dez mil anos atrás. Utilizado inicialmente para a proteção do frio na era paleolítica, o couro hoje ganha as vitrines e passarelas como uma das matérias-primas mais cobiçadas da moda, seja por sua beleza, seja por sua durabilidade.

         O couro é um artigo natural de sustentabilidade: como subproduto da carne, ele é o reaproveitamento de um material que está dentro de um ciclo renovável. Cerca de 7 milhões de toneladas de peles bovinas são produzidas por ano no mundo. Se a indústria curtidora não existisse, esses 7 milhões de toneladas de couro seriam desperdiçados e acabariam no lixo. Neste sentido, a produção do couro assume um papel importante na reciclagem da indústria, ponto chave da sustentabilidade.

         Além disso, a produção de couro emprega uma taxa bem pequena de produtos químicos e, mesmo com uma grande vida útil, o material é biodegradável, ou seja, não passará anos em estado de decomposição quando descartado.

         O Brasil é o 2° maior em produção de couros no mundo, exportando cerca de 70% de sua produção para diversos mercados, como o calçadista, automotivo e moveleiro, para gigantes da indústria e do varejo. O trabalho responsável da indústria curtidora nacional é notório em escala mundial, tanto pela legislação nacional como pelo esforço próprio dos gestores industriais em tornar esta uma atividade com cada vez menos impacto à sociedade. A reutilização da água, o desenvolvimento tecnológico cada vez mais crescente dos curtumes e o fim adequado dos resíduos são alguns exemplos de medidas que garantem o cumprimento dos rigorosos padrões da legislação ambiental brasileira na atividade industrial.

Fontes: Assintecal, IBB - Instituto by Brasil e CICB – Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil.


Fonte: Brazilian Leather



Fonte: Brazilian Leather



Desenvolvido por: WCHOST